novembro 21, 2007

Sozinho

Posted in Posts às 5:40 pm por Antonio

Já se sentiu sozinho enquanto estava cercado de pessoas?

Física Quântica

Posted in Posts às 2:35 pm por Antonio

Olá, caro leitor.

A wise man once said: “É possível explicar o universo sem abandonar o bom senso”. Quem disse isso foi um autor de alguma de mais uma teoria revolucionária da física que nunca dá certo, mas isso não vem ao caso. O fato é que eu concordo plenamente. Física quântica é totalmente maluca e sem sentido. Desafia o bom senso, o senso comum, o senso não-comum,  o senso aranha e qualquer outro senso que você tenha. Dá certo pra muitas coisas, mas é absurda. Pra mim, só com muita fé pra acreditar nesse conto de fadas. Estou afirmando isso sem base nenhuma, então não tente argumentar, caro leitor geek.

Anyway, veja que afirmações interessantes, não necessariamente conectadas com a física quântica.

– Fóton é uma partícula sem massa.
– A luz comporta-se tanto como uma onda quanto como uma partícula, a isso dão o nome de dualidade, que é praticamente dizer que a luz é onda e partícula.
– Você não pode saber exatamente a posição e a velocidade de uma partícula, e precisar seu conhecimento em uma dessas grandezas implica em aumentar a incerteza da outra.
– O tempo é relativo, ou seja, o tempo passa diferente para dois corpos dependendo da velocidade em que elas estão. Parece ser possível passar uns dias pra você e muitos anos para uma pessoa aqui na Terra, desde que você viaje rápido o suficiente.

Nerds birutas, acalmem-se, não tenho base nenhuma pra falar que essas coisas estão erradas, logo não há validade nenhuma nos meus comentários e EU TENHO NOÇÃO DISSO. Se pra você todas essas afirmações fazem sentido, parabéns campeão. Pra mim não.

Desculpem-me, estou apenas usando o blog como terapia escrevendo isso para descarregar minha raiva devido a um quase zero na prova de física moderna.

Mas que eu ainda boto fé que algum dia alguma pessoa estranha deficiente vai formular uma teoria muito simples que explique tudo sem destruir o bom senso, “ô” se boto.

Que Deus abençoe a todos.

novembro 20, 2007

Mundo pequeno

Posted in Posts às 7:29 pm por Antonio

EDIT 21/11: O sr. Dantas apontou diversas falhas no desenvolvimento do problema proposto, no entanto, para evitar a fadiga (dando todos os créditos da frase ao Jaiminho), não o corrigirei. Deixo a identificação dos equívocos e futura correção ao leitor interessado como exercício.

Olá, caro leitor.

Ouça essa, custei a acreditar. Há um tempo atrás, um conhecido meu chega e diz: “Ow, encontrei o seu amigo (primeiro nome) em Montreal”. A conversa prosseguiu com um pequeno “Ah!” de minha parte, sem significado nenhum, afinal, não tinha entendido nada. Montreal, até onde eu saiba, fica no Canadá. Além do mais, o único cara com o (primeiro nome) que eu conhecia era um pé rapado e nunca que iria para um lugar desses.

E passam-se alguns dias…

Chega um outro amigo meu, o (segundo nome), e vem contar o mesmo fato, e a história ficou clara. Esse cara, embora chame-se (primeiro nome), é conhecido apenas pelo seu sobrenome (segundo nome). As coisas ficaram um pouco melhores, mais ainda sim demorei para acreditar. Você, leitor, um hábil matemático, pegue um papel e uma calculadora e resolva o seguinte problema:

Hipótese: Existem duas pessoas, A e B, localizadas na região simplesmente conexa delimitada pelo contorno da fronteira brasileira BR. Sendo R1 e R2 os espaços vetoriais que contêm as pessoas conhecidas de A e B, respectivamente, temos que B não está contido em R1 e A não está contido em R2, ou seja, A e B não se conhecem. Perceba também que A e B estão contidas numa região simplesmente conexa CA, tal que a área(CA) < área(BR) e CA está contida em BR, ou seja, A e B estão na mesma cidade. Também existe uma pessoa C, com relações R3 e contida em CA. A e B estão contidos em R3. Traduzindo, C está na mesma cidade que A e B e conhece ambos.

Dada a hipótese, calcule a probabilidade dos eventos abaixos acontecerem seqüencialmente:

– A e B viajarem na mesma época para o Canadá, ou seja, o módulo do vetor AC e do vetor BC tornam-se consideravelmente grandes.
– Essa viagem os levar a mesma cidade (|AB| << 0, ou seja, desprezível).
– A e B, com decisões independentes, resolverem ir à mesma festa, localizada no ponto P por meio do caminho c1(t) para A e c2(t) para B, tais que c1(t0) = c2(t0) = x0 e c1(tf) = c2(tf) = P, sendo t0 e tf os tempos iniciais e finais, respectivamente, e xo o referencial.
– Para isso, A e B vão pela mesma linha de metrô, no mesmo horário, ou seja, c1(t) = c2(t) para todo t0 <= t <= tf.
– A ouve B conversando em português, e resolve puxar assunto, alterando R1 e R2 para R1′ e R2′, respectivamente, tais que A está contido em R2′ e B está contido em R1′.
– A e B conversam e, por algum motivo, a conversa leva a conclusão de que conhecem C, ou seja, A e B tomam ciência de que C está contido em R1′ e R2′.
– A e B falam isso para C, independentemente, ou seja, definindo t1 e t2 o tempo em que A e B, respectivamente, interagem com C, temos que t1 e t2 são distintos.

Observação: Despreze a resistência do ar (???).

Nada como exercitar meu “matematiquês” que alguém disse facilitar a vida das pessoas e não deixar dúvidas.

Uma simples leitura do problema nos permite estimar que a probabilidade seja absurdamente baixa! Nunca o jargão “que mundo pequeno” me pareceu tão adequado…

Um professor um dia disse que as leis da física são baseadas em probabilidades enormes, ou seja, sabemos o que vai acontecer porque é muito provável que aconteça, e dizemos que algo é impossível quando há uma chance ridiculamente pequena dela acontecer. Dado o acontecido com A, B e C, não estranhe se chutar uma bola de futebol para frente e ela voltar no seu rosto, ou então jogá-la para cima e ela nunca cair, ou então se sua perna se fundir até o joelho no chão do parque durante sua caminhada matinal.

Quantos devaneios estúpidos…

Que Deus abençoe a todos.

novembro 17, 2007

Pensamentos…

Posted in Posts às 8:40 pm por Antonio

Pensar é algo perigoso, a mente materializa hipóteses e desejos e torna o incontestável absurdo em algo possível para o pensante. O problema é distinguir o que são peripécias do seu subconsciente, o que é realidade e o que pode se tornar realidade. Todas essas coisas se embaralham de uma forma complexa e de repente você não consegue entender mais nada. Quando se trata de outras pessoas a coisa fica um pouco pior, pois cada pessoa age de acordo com pensamentos produzidos por outras variáveis desconhecidas, tornando tudo imprevisível.

Se fosse possível, gostaria de deixar de ser um humano por um curto período, por alguns minutos. Não, alguns segundos seriam suficientes. Nessa oportunidade, todos os meus sentimentos esvair-se-iam e, usando a lógica, única entidade restante, juntaria todas os fatos e pistas e trilharia por um caminho único e reto em busca da verdade. Recobrando meu estado humano, talvez ficasse extremamente magoado com o que descobri. Será que valeria a pena? O que é o melhor, o conhecimento do real ou a ilusão de um sonho?

Se você está confuso, imagine eu.

Que Deus abençoe a todos.